Minha mãe, diz a santa Teresa que quando eu morrer...

Vinicius de Moraes

Minha mãe, diz a santa Teresa que quando eu morrer  Eu quero ir para o céu.  Fala com são Francisco também, providencia  Conta minha infância, quando como o tempo  Em que você falava com a gente uma porção de histórias  São Francisco é meu amigo, ele compreende  Santa Teresa é boazinha, ela sabe  Diz a eles que eu cantava antes de falar, que eu mentia  Que tinha visto Nossa Senhora para os garotos da Ilha e eles acreditavam  Para são Francisco você adota o tom simples  Para santa Teresa você adota o tom franco  Vai logo dizendo, fala que eu já li o Inferno de Dante  Que eu já sei como é e como já sei não preciso mais ir  Eles compreendem, eles são bonzinhos  Eles sabem que você está exagerando mas dão o desconto  Para são Francisco diz que eu sei cantar e que eu sou poeta  Para santa Teresa diz que eu sei umas anedotas de padre  Que a gente pode ficar conversando os três  Dando miolo de pão aos passarinhos  Fazendo improviso e graça com são Tomás de Aquino  Se for preciso diz francamente que eu não presto  Mas que eu quero ir pro céu  Que o purgatório é muito úmido, e o inferno  Tem Lucrécia e uma porção de mulheres para mexer comigo  Diz que eu me comporto, que eu só quero  É estar com eles falando poesia  Discutindo Rimbaud e tocando violão em noite de lua cheia  Não diz que eu sou formado, nem que eu sou laureado  Nem que vim pra Oxford, nem que trabalhei para o governo  Diz só que eu não quero perder minha poesia nem minha tristeza  Que eu quero ver meu amigo Rainer Maria Rilke  Que eu quero ficar deitado pensando enquanto eles rezam.