Todas as namoradas que eu já tive...

Vinicius de Moraes

Todas as namoradas que eu já tive  Estão noivas  Uma só dentre todas não está noiva  Casou-se.  Nenhuma se lembra mais de mim  As que tiveram meus beijos evitam meus olhos  As que tiveram minha afeição riem mal de mim  E beijam furtivamente os noivos nos cinemas e nas praias  Todas têm meus sonetos de amor  Com promessas ardentes de constância e fidelidade  Todas têm meu retrato  O retrato do menino risonho que eu já fui  Com todas eu gastei algumas horas do dia  E algumas horas da noite  Todas estão noivíssimas  E são apenas meninas sem juízo fazendo o que querem  Dando aos namorados anteriores a satisfação social do noivado  E exibindo o noivo bonito aos olhos das moças sem namorado.  Algumas eu estimei sinceramente  Sem grandes palavras mas com olhares francos  Olhares que eu estudava nos bondes com outras  Para fazê-los ainda mais verdadeiros  Com outras me diverti  Passeando horas e horas braço com braço  Com palavras grandes e pequenos olhares  A todas eu feri inconscientemente  As que eu beijei e as que eu não beijei  As que eu beijei porque um dia não quis beijar  As que eu não beijei porque um dia quis beijar.  Vi-as fugirem todas de mim  E me vi fugindo de todas elas  Vejo-as agora aqui e ali ontem e hoje  A casada, com um filho  As noivas, com brilhos maternais nos olhos  Futuros infelizes para o mundo  Vejo-me por momentos pai de família comprando brinquedos  E a satisfação de estar só é tão grande  Que no fundo eu estimo sinceramente todas essas meninas  Que estão noivas e serão muito felizes  E a que está casada e não é feliz mas faz que é  E me estimo mais, ainda, a mim próprio  Que estou só, feliz e só, com os meus amigos e com a minha boemia discreta.