Um dia, como estivesse parado...

Vinicius de Moraes

Um dia, como estivesse parado à borda de uma montanha ao Sol poente Apascentando a sua poesia diante dos trigais e contemplando as cidades douradas Viu o Príncipe-Poeta a minha sombra precipitada nos abismos ir escurecendo uma extensão de léguas e léguas de terra.  Havia em torno a mim uma grande humildade, de rebanhos e de sopros de flautas E uma grande paz futura como se tudo não fosse senão a eterna espera de uma  [eterna vinda se desdobrando  Subitamente o Príncipe viu a sua sombra que obedecia ao seu corpo que obedecia  [ao seu pensamento ali estava desde o começo dos tempos o espetáculo das eras.  As águas não se repetem, ele pensava, mas elas voltam para os mesmos leitos desfeitos em chuva  E refazem o mesmo caminho da terra para as fontes das fontes para os rios dos rios para o mar do mar para o sol  Ora cantantes, límpidas, serenas, ora estagnadas, tempestuosas, negras, trágicas, segundo a sabedoria dos instantes do curso  Até novamente subirem ao astro sedento onde viveram o seu paraíso efêmero para caírem novamente em gotas de chuva.